FONTE: OMS

No último mês, um aumento significativo nas mortes por COVID-19, somando quase 10.000 casos, foi relatado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O diretor-geral da agência, Tedros Adhanom Ghebreyesus, apontou que os feriados de quarta-feira e a propagação de uma nova variante, a JN.1, contribuíram para a escalada da transmissão do vírus em dezembro. As hospitalizações aumentaram em 42% em quase 50 países, com ênfase especial na Europa e nas Américas, que compartilharam dados sobre as tendências.

Embora o número de mortes seja menor em comparação com o auge da pandemia, Tedros enfatizou que quase 10.000 mortes por mês são inaceitáveis, caracterizando-as como evitáveis. Ele expressou preocupação com a subnotificação de casos, instando os governos a manterem a vigilância e garantirem acesso contínuo a tratamentos e vacinas.

A variante JN.1, identificada como uma variante ômicron, agora se destaca como a mais prevalente globalmente. Tedros tranquilizou, afirmando que as vacinas atuais devem oferecer alguma proteção contra essa nova cepa. Maria Van Kerkhove, líder técnica da OMS para a COVID-19, destacou um aumento global de doenças respiratórias não apenas devido ao coronavírus, mas também à gripe, rinovírus e pneumonia. Ela previu que essas tendências continuem durante os meses de inverno no hemisfério norte, enquanto observou aumentos nos casos de COVID-19 no hemisfério sul, onde é verão.

Van Kerkhove ressaltou que, neste ano em particular, há uma coexistência de vários patógenos respiratórios, resultando em sintomas como tosse, coriza, febre e fadiga no inverno. A OMS insta a população a se vacinar sempre que possível, usar máscaras e garantir uma boa ventilação em ambientes internos.

O Dr. Michael Ryan, chefe de emergências da OMS, enfatizou que as vacinas podem não impedir a infecção, mas têm eficácia em reduzir significativamente as chances de hospitalização ou morte. O Departamento de Saúde e Ciência da Associated Press, apoiado pelo Grupo de Mídia Científica e Educacional do Howard Hughes Medical Institute, é responsável por todo o conteúdo relacionado a esta informação crucial sobre a evolução da pandemia.

Fonte: Apnews

By rede33