A tendência crescente de desdolarização, a resiliência econômica da China, os fluxos sem precedentes de petróleo e gás, e a abertura de novos mercados como resultado de focos geopolíticos ativos em todo o mundo são apenas algumas das características de uma ordem mundial em mudança. Novas alianças também fazem parte desse panorama dinâmico, e a Europa pode se beneficiar dessas mudanças. Primeiro, precisamos entender o que é exatamente uma ordem mundial e como ela está mudando.

O que é uma ordem mundial? A ordem mundial não é algo que você ouviria em teorias da conspiração ou filmes. Não é um grande esquema controlado por um punhado de pessoas. A ordem mundial refere-se à dinâmica de poder, regras e normas entre estados, instituições internacionais e outros atores globais. Possui várias características, tais como sistemas e regulamentos econômicos, disposições de segurança, diplomacia, contextos culturais e ideológicos, distribuição de poder e instituições internacionais.

O que representa uma ordem mundial em mudança? Uma ordem mundial em mudança manifesta-se de várias formas. Por exemplo, as mudanças no poder são um indicador importante que sugere esta mudança. A ascensão da China como potência econômica é um exemplo perfeito disso. Outros indicadores podem incluir uma crise global como a pandemia da COVID-19, que mudou não só o destino da economia global, mas também impactou a forma como vivemos e as empresas operam. Os avanços tecnológicos, como a recente proliferação e melhoria da inteligência artificial e da aprendizagem automática (com o influxo de bots como ChatGpt, Google Bard, etc.) são outro indicador de uma ordem mundial em mudança. Isso cria implicações para tudo, desde vídeos DeepFake que ameaçam nossa privacidade até resultados eleitorais.

A mudança dos padrões comerciais é um indicador muito forte da mudança da ordem mundial. Por exemplo, um quinto do comércio de petróleo a nível mundial foi realizado em moedas diferentes do dólar em 2023, segundo o JP Morgan. Doze contratos foram liquidados com pagamentos não em dólares, contra sete em 2022 e apenas dois entre 2015 e 2021. Estes são alguns dos padrões que, caso surjam, sinalizam uma ordem mundial em mudança.

Europa e areias movediças Com tantas tendências emergentes e contornos em mudança, é de grande importância que a Europa reserve algum tempo para reconfigurar a sua relação com as seguintes regiões, para que seja capaz de sustentar a sua marca na comunidade global.

Europa e Ásia Com o extraordinário e rápido desenvolvimento da região asiática, a sua estatura na cena global não pode ser ignorada. A Ásia possui a maior parte das reservas de comércio exterior do mundo e é um porto seguro para várias das maiores economias do mundo. Representa 60% da população mundial, tendo 10 vezes mais pessoas que a Europa. Por conseguinte, os fatores-chave na definição das relações europeias e asiáticas são a cooperação comercial e de investimento, conduzindo à interdependência econômica e à prosperidade.

Europa e BRICS Considerando a ascensão do Sul Global na manifestação do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS), é de suma importância que a Europa melhore o seu relacionamento com os parceiros para que possa beneficiar de cada um nas capacidades relacionadas. Por exemplo, a cooperação com parceiros do Golfo pode reforçar o mercado energético; a cooperação com os estados sul-africanos pode abrir caminho para recursos minerais abundantes, enquanto a cooperação com a Índia pode ajudar a equilibrar a influência chinesa na região.

Europa e China Com a constante inclinação para a desconfiança mútua, a Europa e a China parecem estar bem separadas em termos de cooperação e colaboração. O Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, em Outubro do ano passado, expressou a preocupação do seu país ao afirmar: “A China espera que a União Europeia (UE) adote uma atitude mais pragmática e racional na cooperação com a China”. Se a Europa conseguir adoptar uma “atitude mais pragmática e racional” com a China, a Europa poderá contrabalançar a influência da China na esfera geopolítica, tecnológica e económica. Apesar de terem opiniões diferentes sobre questões internacionais e regionais, ambos os estados podem aderir à comunicação e à colaboração, tendo em mente as suas preocupações e interesses fundamentais.

Europa e Médio Oriente Considerando as tendências de mudança da região do Médio Oriente e a crescente influência chinesa, a Europa enfrenta o desafio de penetrar nos mercados dos países do Golfo. Enquanto parceiro comercial importante do Egito, da Turquia e da Jordânia, a Europa precisa de trabalhar na parceria centrada no clima e na tecnologia, para garantir a eficiência energética e a produção de energia limpa. A promoção da conectividade em toda a região, a fim de garantir as suas próprias necessidades energéticas, deve ser o foco principal da Europa, para que possa sobreviver ao golpe da mudança da ordem mundial.

Silvano Saldanha – JN LIBERTTI

Avatar de rede33

Fonte: Euro News

By rede33