Official portrait of President Donald J. Trump, Friday, October 6, 2017. (Official White House photo by Shealah Craighead)

Após dois anos no cargo, o Presidente Donald Trump autorizou a Agência Central de Inteligência (CIA) a lançar uma campanha clandestina nas redes sociais chinesas, com o objetivo de influenciar a opinião pública na China contra o governo de Xi Jinping. Esta revelação vem de ex-funcionários dos EUA que possuem conhecimento direto dessa altamente confidencial Operação.

Três ex-funcionários informaram à Reuters que a CIA formou uma pequena equipe de agentes que usaram identidades falsas na Internet para disseminar narrativas negativas sobre o governo chinês, enquanto vazavam informações depreciativas para meios de comunicação estrangeiros. Este esforço, iniciado em 2019, até então não havia sido divulgado.

Ao longo da última década, a China tem expandido rapidamente sua presença global, estabelecendo pactos militares, acordos comerciais e parcerias com nações em desenvolvimento. A equipe da CIA promoveu alegações de corrupção entre membros do Partido Comunista e criticou a Iniciativa Cinturão e Rota da China, a qual fornece financiamento para projetos de infraestrutura em países em desenvolvimento, revelaram as fontes à Reuters.

Embora autoridades norte-americanas tenham se recusado a fornecer detalhes específicos dessas operações, afirmaram que as narrativas depreciativas baseavam-se em fatos, embora fossem divulgadas secretamente por agentes de inteligência sob disfarce. Os esforços na China visavam incitar paranóia entre líderes locais, forçando o governo a alocar recursos para monitorar a Internet rigidamente controlada de Pequim, relataram dois ex-funcionários. “Queríamos que eles caçassem fantasmas”, disse um dos ex-funcionários.

Chelsea Robinson, porta-voz da CIA, se recusou a comentar sobre a existência do programa de influência, seus objetivos ou impactos. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que as notícias sobre a iniciativa da CIA demonstram como os EUA utilizam espaços de opinião pública e plataformas de mídia como armas para disseminar informações falsas e manipular a opinião pública internacional.

A operação da CIA foi uma resposta aos anos de esforços agressivos e secretos da China para aumentar sua influência global, conforme relataram as fontes. Durante sua presidência, Trump adotou uma postura mais dura em relação à China do que seus antecessores. A campanha da CIA marca um retorno aos métodos utilizados na luta de Washington contra a antiga União Soviética. “A Guerra Fria está de volta”, comentou Tim Weiner, autor de um livro sobre a história da guerra política.

A Reuters não conseguiu determinar o impacto dessas operações secretas ou se a administração do presidente Joe Biden manteve o programa da CIA. Kate Waters, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional do governo Biden, recusou-se a comentar sobre a existência ou continuidade do programa. Dois historiadores de inteligência disseram à Reuters que quando a Casa Branca concede autoridade à CIA para ações secretas, geralmente essa autorização permanece em vigor em todas as administrações.

Trump, atualmente candidato republicano à presidência, sugeriu que adotaria uma abordagem ainda mais dura em relação à China se fosse reeleito em novembro. Porta-vozes de Trump e de seus ex-assessores de segurança nacional, John Bolton e Robert O’Brien, que serviram no ano em que a ordem de ação secreta foi assinada, não quiseram comentar.

A operação contra Pequim apresentou um risco significativo de escalada de tensões com os EUA, dado o poder econômico da China e sua capacidade de retaliar através do comércio, alertou Paul Heer, ex-analista sênior da CIA sobre o Leste Asiático. Por exemplo, após a Austrália solicitar uma investigação na China sobre as origens da pandemia de COVID-19 em 2020, Pequim impôs tarifas agrícolas que bloquearam bilhões de dólares no comércio australiano.

A ordem de Trump em 2019 veio após anos de alertas da comunidade de inteligência dos EUA e relatos da mídia sobre os esforços da China para obter apoio de países em desenvolvimento e semear divisões nos EUA. O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que Pequim segue um “princípio de não interferência nos assuntos internos de outros países”.

Fontes descreveram a autorização de 2019 como uma operação mais ambiciosa, permitindo à CIA agir não só na China, mas também em países ao redor do mundo onde os EUA e a China competem por influência. Matt Pottinger, alto funcionário do Conselho de Segurança Nacional na época, foi mencionado como redator da autorização, citando ameaças à segurança nacional dos EUA, incluindo o suposto uso de influência maligna pela China.

As operações de influência dos EUA correm o risco de prejudicar dissidentes, grupos de oposição e jornalistas independentes na China, que podem ser falsamente retratados como ativos da CIA, alertou Thomas Rid, professor da Universidade Johns Hopkins.

Christopher Bing

Thomson Reuters

Repórter premiado que cobre a interseção entre tecnologia e segurança nacional com foco em como o cenário em evolução da segurança cibernética afeta o governo e as empresas.

Avatar de rede33

Deixe seu comentário:

    By rede33