UNOCHA/Themba Linden (tradução) Um veículo é conduzido através da destruição em Khan Younis.

Seis meses após o início da atual ofensiva militar, especialistas em direitos humanos expressaram forte condenação ao papel desempenhado pela Inteligência Artificial (IA) na destruição causada pelos militares israelenses em Gaza.

“Mais habitações e infraestrutura civil foram destruídas em Gaza como uma porcentagem, em comparação com qualquer conflito na memória”, disseram os especialistas, incluindo Francesca Albanese, Relatora Especial sobre a situação dos direitos humanos no Território Palestino ocupado desde 1967.

Em um comunicado, os especialistas estimaram que entre 60 e 70 por cento de todas as residências em Gaza, e até 84% das casas no norte de Gaza, foram completamente destruídas ou sofreram danos parciais.

Essa “destruição sistemática e generalizada” foi categorizada como um crime contra a humanidade pelos especialistas, que não são funcionários da ONU e não recebem salário por seu trabalho. Eles apontaram para “numerosos crimes de guerra e atos de genocídio”, alegados pela Sra. Albanese em seu relatório ao Conselho de Direitos Humanos.

Os danos causados à Faixa de Gaza são estimados em US $ 18,5 bilhões, o que representa 97% da economia total de Gaza e da Cisjordânia. Mais de 70% desse valor é atribuído à substituição de habitações, enquanto outros 19% correspondem ao custo da infraestrutura civil, incluindo água, saneamento, energia e estradas.

“As casas se foram, levando consigo as memórias, esperanças e aspirações dos palestinos, bem como sua capacidade de desfrutar de outros direitos, incluindo direitos à terra, alimentos, água, saneamento, saúde, segurança e privacidade (especialmente para mulheres e meninas), educação, desenvolvimento, ambiente saudável e autodeterminação”, afirmaram os especialistas em direitos humanos.

Retorno ao Norte

No último fim de semana, milhares de pessoas tentaram retornar às suas casas no norte de Gaza. Imagens da região mostraram pessoas de todas as idades se aglomerando ao longo da estrada costeira para o norte, muitas delas a pé e outras em carrinhos de burro.

De acordo com relatos da imprensa, tanques israelenses bloquearam a estrada, obrigando os palestinos a recuarem. Outros relatos indicaram que os ataques aéreos israelenses continuaram na segunda-feira em todo o enclave, atingindo também o campo de refugiados de Nuseirat, no centro de Gaza, deixando cinco mortos e dezenas de feridos.

Os dados mais recentes das autoridades de saúde de Gaza indicam que mais de 33.200 pessoas foram mortas no enclave desde 7 de outubro, a maioria delas mulheres e crianças. Os ataques liderados pelo Hamas em Israel também resultaram na morte de mais de 1.250 pessoas, com mais de 250 mantidas como reféns.

Iniciativa de Ajuda Humanitária

Em um desenvolvimento relacionado, o Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) anunciou no domingo que ajudou a reiniciar a produção de pão na cidade de Gaza, após fornecer combustível e realizar reparos nas máquinas de fazer pão de uma padaria.

Antes do início dos bombardeios israelenses em resposta aos ataques terroristas liderados pelo Hamas em 7 de outubro em Israel, Gaza contava com cerca de 140 padarias industriais.

Em uma postagem no Twitter, o PMA informou que forneceu combustível a uma padaria que estava fechada há meses, contribuindo para aliviar a situação humanitária desesperadora no norte do enclave, onde os moradores estão “em grande parte isolados” da ajuda externa.

“O PMA continuará a fornecer trigo e outros recursos para garantir que o pão esteja disponível, mas essa quantidade será suficiente apenas para quatro dias”, afirmou a agência da ONU, fazendo um apelo renovado por “acesso seguro, sustentado e ampliado para prevenir a fome”.

Incerteza em Rafah

Enquanto persiste a incerteza sobre possíveis ataques das forças israelenses contra Rafah, o chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Filippo Grandi, alertou contra a criação de uma nova crise de deslocamento da cidade mais ao sul do enclave para o vizinho Egito.

“Uma nova crise de refugiados de Gaza para o Egito – posso garantir, com base em minha experiência como chefe da UNRWA – tornaria impossível resolver a questão dos refugiados palestinos e, como consequência, o conflito israelo-palestino”, disse Grandi, referindo-se à agência da ONU para refugiados palestinos.

“Devemos fazer tudo ao nosso alcance para evitar que isso aconteça. E é por isso que continuamos insistindo que a prioridade é garantir acesso dentro de Gaza, pois essa é a única maneira de evitar tal cenário”.

Fonte: ONU

Avatar de rede33

Deixe seu comentário:

    By rede33