UNICEF/Ahmed Elfatih Mohamdeen Aisha, de um ano de idade, que sofre de desnutrição aguda grave, está sendo vista e tratada durante uma triagem em massa da circunferência do braço (MUAC) para crianças menores de cinco anos no estado de River Nile, Sudão.

Em meio a um cenário complexo de guerras, mudanças climáticas e desafios humanitários, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabelece critérios específicos para medir e definir a fome no mundo, destacando também as ações essenciais para enfrentar essa crise em escala global.

O economista-chefe do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Arif Husain, compartilhou o processo pelo qual a fome é avaliada e monitorada, especialmente evidenciado pelo mais recente relatório de segurança alimentar da Classificação Integrada de Fases (IPC) em Gaza.

Qual é o Limite da Fome?

Husain explica que a fome é tecnicamente definida quando três condições críticas convergem em uma área geográfica específica:

  • Pelo menos 20% da população enfrenta níveis extremos de fome.
  • 30% das crianças na mesma área estão desnutridas.
  • A taxa de mortalidade aumentou drasticamente, ultrapassando dois óbitos por 10 mil adultos e quatro por 10 mil crianças diariamente.

Ele enfatiza que a fome representa um fracasso coletivo e destaca a necessidade premente de ações preventivas para evitar a desnutrição generalizada e as mortes associadas.

Como a Fome é Monitorada?

Atualmente, a monitorização da fome difere significativamente dos padrões observados nas décadas passadas, onde a seca era o principal fator. Husain destaca que hoje, com as crises ocorrendo em tempo real, não há espaço para alegações de desconhecimento.

A insegurança alimentar relacionada ao clima é agora monitorada de perto, graças ao IPC, uma ferramenta inovadora desenvolvida pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) durante a crise na Somália em 2004 e amplamente utilizada por agências humanitárias em todo o mundo.

O que é o IPC?

O IPC é uma iniciativa multipartidária inovadora projetada para aprimorar a análise e a tomada de decisões sobre segurança alimentar e nutrição. A classificação e a abordagem analítica do IPC facilitam que governos, agências da ONU, organizações não governamentais, sociedade civil e outros atores relevantes trabalhem juntos para determinar a gravidade e a magnitude da insegurança alimentar aguda e crônica e das situações de desnutrição aguda em um país de acordo com padrões internacionalmente reconhecidos.

Originalmente desenvolvido em 2004 para ser usado na Somália pela FAO, a iniciativa se espalhou para mais de 30 países, e uma parceria global de 19 organizações está liderando o desenvolvimento e implementação do IPC nos níveis global, regional e nacional. Com mais de 20 anos de aplicação, o IPC provou ser uma das melhores práticas no campo global de segurança alimentar e um modelo de colaboração em mais de 30 países na América Latina, África e Ásia.

Como o IPC Funciona?

O IPC em si não coleta dados. As informações vêm de seus parceiros humanitários que atuam no terreno. As informações podem abranger segurança alimentar, nutrição, mortalidade e meios de vida das pessoas, bem como ingestão calórica, que tipo de estratégias de enfrentamento as pessoas estão usando para encontrar alimentos e as medidas dos braços das crianças para monitorar a desnutrição, conhecidas como circunferência médio-superior do braço.

Segundo Husain, a coleta de dados continua mesmo em zonas de guerra. Em casos em que locais são inacessíveis, pesquisas são feitas por telefone para obter informações, e se isso não for possível, satélites podem gerar informações.

Especialistas técnicos dos parceiros do IPC analisam uma grande quantidade de dados para informar melhor os tomadores de decisão que podem abordar efetivamente as necessidades no terreno, com o objetivo de evitar um cenário de pior caso.

Os especialistas do IPC então se reúnem para analisar os dados, classificando populações em cinco categorias: a fase 1 é mínima ou sem estresse relatado; a fase 2 caracteriza as pessoas enfrentando estresse para encontrar alimentos; a fase 3 é uma crise alimentar; a fase 4 é uma emergência; e a fase 5 é considerada uma catástrofe ou fome. Com base na parcela da população em cada uma das cinco etapas, áreas geográficas recebem uma fase de gravidade também, apresentada por cores diferentes no mapa IPC, da menos severa para a mais severa.

Comitê de Revisão de Fome e Resposta

Em caso de suspeita de fome, o Comitê de Revisão de Fome do IPC é convocado. Composto por especialistas globalmente reconhecidos, este comitê analisa os dados para determinar a credibilidade da situação e justificar uma classificação de fome.

As agências humanitárias usam as classificações do IPC para planejar intervenções em níveis de crise e emergência, visando evitar a fome. A prevenção é enfatizada como a abordagem mais eficaz, embora o fornecimento de ajuda alimentar seja crucial para salvar vidas em áreas afetadas.

Em última análise, Husain enfatiza que interromper conflitos é essencial para evitar a fome, mas enquanto as negociações prosseguem, é crucial fornecer assistência humanitária às populações vulneráveis.

A divulgação transparente e o uso eficaz de ferramentas como o IPC são fundamentais para enfrentar a crise da fome e promover a segurança alimentar globalmente.

Silvano Saldanha/JN LIBERTTI

ONU

Avatar de rede33

Deixe seu comentário:

    By rede33